Arquivo do mês: janeiro 2011

Biologia Evolutiva

Olá,

numa tarde de domingo, descobri esse outro blog: http://biologiaevolutiva.wordpress.com

Um ótimo blog para ser utilizado como referência na hora de estudar, eu mesmo já copiei alguns textos daí para utilizar em atividades com os alunos.

O link estará fixado permanentemente na sessão “links” à direita da página desse blog.

Até

Novidade!

Já começamos o ano com novidades. Na verdade é uma nova ferramenta que está a disposição de todos na internet!



 

aguardem!

Pra pensar no começo…

pra descontrair nesse derradeiro final!

O que faz de um cientista ser cientista?

Olá,

estamos começando agora a contagem regressiva para o retorno das aulas. Eu, cientista, parei um pouco pra pensar no que faz de mim um cientista. Não encontrei uma resposta, mas cheguei a conclusões bem satisfatórias!

Todas as características de um cientista estão presentes no parágrafo anterior, basta relê-lo com mais calma que logo se percebe esses detalhes. Observe a primeira grande característica de um cientista na formulação do problema: “parei um pouco pra pensar no que faz de mim um cientista”. Um cientista, antes de mais nada deve saber formular uma pergunta. Mas o que faz de alguém ser um grande cientista é a capacidade de lidar com essa pergunta de maneira objetiva, sem se contentar com respostas vazias ou que não podem ser submetidas a testes.

Um cientista deve saber lidar com o desconhecido, fazer testes, construir o conhecimento a partir do fato.

É bom perceber que um cientista nem sempre está preocupado com a resposta objetiva de seu estudo, ou com a resolução definitiva de seu problema. O cientista está mais interessado naquilo que ele pode obter como informação a respeito do fato (o fato:”Eu, cientista…”). Observe o trecho daquele primeiro parágrafo: “Não encontrei uma resposta, mas cheguei a conclusões bem satisfatórias”.

Um cientista, embora chegue a conclusões bem satisfatórias a respeito do seu problema ou da sua análise, nunca deve acreditar que alcançou a verdade a respeito do fato.

Acho que são essas coisas que fazem de mim um cientista…

Em ritmo de volta às aulas!

Em ritmo de retorno compartilho com vocês algumas descobertas (ou re-descobertas) das minhas férias que acho que valem a pena para melhorar o humor de todos nesse retorno.

Uma pequena canção:

Essa é uma pequena homenagem minha à língua portuguesa já que ela sempre estará presente nesse nosso novo ano.

Informação, formação e mação

Olá,

antes que o ano escolar recomece gostaria de compartilhar com vocês essa pequena reflexão sobre o formar-se.

Resolvi tirar o meu mês de janeiro para viajar, conhecer novos lugares, novas pessoas e sentir novas sensações. Somente a parte das novas sensações é que não foram bem como eu esperava, o que senti durante boa parte dos melhores momentos de minha viagem foi um re-arranjo das sensações que eu já conhecia.

Mas a ausência de sensações novas não impediu que minha viagem fosse igualmente proveitosa, somente fez com que eu pensasse um pouco mais nisso. E, como não poderia faltar, também pensei nos alunos e na visão um pouco equivocada de formação que alguns apresentam.

A formação utiliza da informação e a informação está aí para quem quiser (ou puder) ver. Às vezes tentam maquiar a informação ou mudá-la, mas sabemos que ela existe, ou existiu. Formar-se é utilizar-se dessa informação para compor o pool de conhecimento que você possui, mas a formação de alguém não pode estar restrita ao puro acúmulo de informação, a formação do indivíduo constitui o manuseio dessa informação para construção de algo que é só seu. Assim como o artista utiliza-se do barro para dar formas às suas esculturas.

Assim como eu retorno dessa viagem com acréscimos a minha formação – que são pequenos re-arranjos daquilo que eu já conhecia – espero que os alunos também aprendam a formar-se dessa maneira.

Os alunos que estão sendo bem formados devem manusear – mesmo que sem utilizar-se das mãos propriamente ditas – o conhecimento e não ter medo de expressar sua conclusão e submetê-la à discussão e crítica do grupo.

Por isso nessa minha reflexão (ou viagem, como os alunos gostam de chamar) re-afirmo o quão gostoso é ver um aluno manuseando as informações que recebeu e sem medo de expressar-se diz que “o marido da maçã é o ‘mação'”.

Está vivo o novo Blog de Ciências Naturais!

Hoje é um grande dia de festa para todos! hahaha

As postagens do antigo blog ainda podem ser vistas, no mesmo endereço.

Abraços!